Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.upf.br/jspui/handle/tede/525
Tipo do documento: Dissertação
Título: Produção de inóculo e sobrevivência de Sclerotinia sclerotiorum
Título(s) alternativo(s): Inoculum production and survival of Sclerotinia sclerotiorum
Autor: Brustolin, Ricardo 
Primeiro orientador: Reis, Erlei Melo
Resumo: O mofo-branco da soja, causado por Sclerotinia sclerotiorum (Ss), tornou-se uma doença importante em diferentes regiões do Brasil, em especial naquelas com ambiente favorável, causando perdas ao agronegócio brasileiro. A experiência de outros países que convivem com este patógeno, é de fundamental importância para o Brasil, mas é preciso conhecer o comportamento de isolados do Brasil, para direcionar estratégias de manejo de acordo com os diferentes sistemas de produção. Desta forma os objetivos deste trabalho foram: (i) determinar o melhor método para produção de escleródios; (ii) determinar o melhor método para a indução da germinação carpôgenica; (iii) quantificar a longevidade de escleródios, produzidos em plantas de soja; (iv) desenvolver a metodologia para inoculação artificial de sementes de soja e quantificar a transmissão para a parte aérea via cotilédones, e a formação de escleródios no interior do solo pelo micélio colonizando as sementes. Os ensaios foram desenvolvidos na Universidade de Passo Fundo durante o ano de 2011 a junho de 2012. Foram comparados quatro métodos para a produção de escleródios com diferentes substratos nutritivos adicionados ou não de farinha de milho (FM). Os escleródios produzidos nos dois melhores métodos foram selecionados, juntamente com escleródios formados sobre meio em substrato composto por areia saturada e ágar-água. No ensaio da longevidade os escleródios foram expostos a condições de campo e mensalmente foi determinada a viabilidade, considerando viável os que germinaram carpogênicamente. Para obter sementes infectadas artificialmente foi avaliado a exposição das sementes sobre micélio de Ss em quatro tempos (12, 24, 36 e 48 horas). As sementes infectadas foram identificadas utilizando-se o meio de NEON-S em ensaio realizado em ambiente climatizado e a campo para quantificar a transmissão via lesão cotiledonar e a formação de escleródios a partir de sementes não germinadas. Os melhores métodos para produção de escleródios foram os compostos por grãos de trigo mesclados com perlita grossa com e sem presença de FM respectivamente. Estes escleródios foram selecionados, juntamente com escleródios formados sobre meio de cultura, e germinaram carpogênicamente em maior número total de apotécios por escleródios, no substrato de areia satura quando comparado com o substrato ágar-água (A/A). No ensaio de sobrevivência no campo, constatou-se que escleródios depositados na superfície do solo, simulando o sistema de plantio direto, perderam a viabilidade com 12 meses. As sementes de soja podem ser inoculadas artificialmente com exposição por 48 horas sobre o micélio do fungo em placas de Petri. Comprovou-se que as sementes infectadas, não germinadas, podem formar até 2,18 escleródios por semente, no interior do solo, em ambiente controlado. No campo, não houve a formação devido ao déficit hídrico. Tanto em câmara de crescimento, como no campo, não foi comprovada a transmissão via lesão cotiledonar.
Abstract: The white mold of soybean caused by Sclerotinia sclerotiorum (Ss), has become an important disease in different growing regions of Brazil, especially in those with favorable environment, causing losses to the Brazilian agribusiness. The experience of other countries who live with this pathogen is of fundamental importance for Brazil, but we need to know the behavior of isolates from the countryl, to direct management strategies according to different production systems. Thus the objectives of this study were to: (i) determine the best method for sclerotia production, (ii) determine the best method to induce carpogenic germination (iii) quantify the longevity of sclerotia produced in soybean; ( iv) develop a methodology for artificial inoculation of soybean seeds and quantify the transmission to stems via the cotyledons, and the formation of sclerotia in the soil by the mycelium colonizing the seeds. The experiments were conducted at the University of Passo Fundo during the years 2011 to June 2012. Four methods for sclerotia production in different nutritive substrates, added or not to corn flour (CF) were compared. These sclerotia were selected, together with those formed on the PDA medium and with carpogenic gemination and the greatest number of apothecia by sclerotia, in sand substratum saturated with water when compared to the water-agar (A/A). In the longevity test the sclerotia were exposed to field conditions and their viability determined at a monthly intervals, where those that germinated producing apothecia were considered viable. For artificially seed infection seeds were exposed to Ss mycelium for four times (12, 24, 36 and 48 hours). Infected seed was identified by plating on NEON-S medium and used in growth chamber and in the field work to quantify the cotiledonary transmission by the presence of lesions and sclerotia formation by non-germinated seeds. The best methods for sclerotia production were wheat grains mixed with coarse perlite with and without the presence of CF. These sclerotia were selected, together with those formed on the culture medium, and that germinated carpogenically with a great total number of apothecia per sclerotia, on the sand saturated with water when compared to the substrate water-agar (A/A). In the longevity experiment in the field, it was shown that sclerotia deposited on the soil surface, simulating the no till system, lost their viability after 12 months. Soybean seeds can be artificially inoculated with 48 hours of exposure to the fungus mycelium in Petri dishes. It was shown that infected seeds do not germinate when seeded in the soil, and they can form up to 2.18 sclerotia per seed in a controlled environment nevertheless, in the field, sclerotia were not formed due to water deficit. Both in growth chamber and in the field, cotiledonary transmission was not proved.
Palavras-chave: Soja - Doenças e pragas
Soja - Sementes
Fitopatologia
Soybean - Disease and pests
Soybean - Seeds
Plant diseases
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOSSANIDADE::FITOPATOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade de Passo Fundo
Sigla da instituição: UPF
Departamento: Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária – FAMV
Programa: Programa de Pós-Graduação em Agronomia
Citação: BRUSTOLIN, Ricardo. Produção de inóculo e sobrevivência de Sclerotinia sclerotiorum. 2012. 107 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://10.0.217.128:8080/jspui/handle/tede/525
Data de defesa: 19-Sep-2012
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Files in This Item:
File SizeFormat 
2012Ricardo_Brustolin.pdf1,18 MBAdobe PDFView/Open ???org.dspace.app.webui.jsptag.ItemTag.preview???


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.